Jurista Kiyoshi Harada recebe homenagem da comunidade jurídica de Salvador, na Bahia

Mesa reuniu personalidades do mundo jurídico e acadêmico na luxuosa sede do IGHB – Divulgação

Aconteceu no último dia 6, na luxuosa sede do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), o lançamento da obra “Kiyoshi Harada: um jurista educador – temas de direitos fundamentais”, de autoria do professor e também jurista, Antonio Francisco Costa. Ex-chefe da Assessoria Jurídica Regional do Banco do Brasil na Bahia, Costa destaca em sua apresentação que “não se trata aqui, simplesmente, de uma demonstração pública de admiração e respeito pelo professor Kiyoshi Harada, mas, principalmente, de destacar a importância pedagógica do pensamento crítico de um educador, enquanto profissional que lida com tão importante instrumento modelar da sociedade como é o Direito”.

De acordo com o IGHB, “trata-se de uma publicação que tem o cunho de render justa homenagem ao jurista educador Kiyoshi Harada”. “Em razão da natureza dos temas jurídicos que nela são tratados, é de importante utilidade para os estudiosos das ciências jurídicas, especialmente para os acadêmicos de Direito”.

Ou como observa o prefaciador da obra, jurista e professor Edvaldo Brito: […] “Kiyoshi Harada escreve textos conceituais, criativos, portanto, originais. Não necessita da cunha esporádica de uma conclusão que se encontra nos autos, onde se registram procedimentos, e estes se esgotam nos limites da lide. Cada estudo, aqui, exposto, mostra a qualidade do pensamento de Harada, contudo, destaca-se um, que serve de exemplo para atestar essa qualidade, é o Capítulo VIII – Emprego das Forças Armadas – porque, neste, faz-se um estudo do tema, à exaustão”.

A cerimônia de lançamento ocorreu no salão nobre do IGHB, no centro da capital baiana, e atraiu inúmeras personalidades do mundo jurídico e acadêmico. A mesa foi composta pelo autor da obra, jurista e professor Antonio Francisco Costa; o jurista Edvaldo Brito, prefaciador da obra; o reitor do Centro Universitário de Ciências e Empreendedorismo, professor Antonio Carlos Le Martini; o presidente da Academia Internacional de Direito e Ética, Dr. Helio Machado; o presidente da Academia Maçônica de Letras e Artes da Bahia, Dr. Cândido Vaccareza; e o presidente da Academia de Cultura da Bahia, Dr. Benjamin Batistas Filho.

Jurista recebeu placa de Homenagem e Gratidão

Velhos tempos – O professor Antonio Francisco Costa fez o discurso de abertura bem distinguindo o professor do educador situando o homenageado dentre o último. O homenageado, em seu discurso de agradecimento, exaltou o valor da amizade, um dos sentimentos mais nobres que não se traduz por uma questão de estar, mas de ser em alusão a sua esposa Felícia, ausente fisicamente. Enumerou algumas de suas passagens em que foram decisivas as mãos amigas para atingir o estágio atual em que desfruta de prestígio no mundo do direito. Agradeceu a todos e fez uma recomendação: “façam o maior número de amizades que for possível, inclusive, fora de nossas fronteiras e se esforcem para manter acesa a chama da amizade, porque uma vez perdida é como café requentado, que jamais conseguirá devolver o sabor original”.

Em seguida discursou o professor Edvaldo Brito ressaltando a suma importância do doutrinador, sobretudo do educador, e relembrando os velhos tempos em que ele e o homenageado participavam de inúmeras jornadas de direito em âmbito nacional.

Homenagem e Gratidão – Durante o evento, o reitor do Centro Universitário de Ciências e Empreendedorismo, professor Antonio Carlos Le Martini entregou ao homenageado uma placa de Homenagem e Gratidão “pela pertinente contribuição à evolução do Direito, instrumento modelador da sociedade, e ao Ensino Jurídico”.

Ao jornal Nippon Já, Kiyoshi Harada destacou sua gratidão pela homenagem. “Senti-me inteiramente compensado e gratificado pelos meus 20 anos de magistério superior e de 56 anos consecutivos de advocacia pública e privada ao ver reconhecido publicamente a qualidade de doutrinador e professor, notadamente, a de educador pela peculiaridade de nossa produção científica, timbrada pela originalidade e pensamento crítico”, disse o jurista, explicando que “surpresa maior foi a presença do Magnífico Reitor do Centro Universitário de Ciências e Empreendedorismo, Prof. Antonio Carlos Le Martini que nos presenteou com uma placa de Homenagem e Gratidão”.

Origem humilde – Segundo ele, durante os discursos, “foi impossível deixar de relembrar a minha origem humilde”. “Passei a infância e parte da juventude desenvolvendo os duros trabalhos no campo até 17 anos, quando vim a São Paulo para continuar meus estudos de ensino médio e superior. Recordei-me dos apoios e incentivos recebidos de meus pais e familiares, contando mais tarde, com a ajuda imprescindível de alguns amigos, responsáveis pela posição que hoje desfruto na área desse fascinante campo do Direito”, conta, acrescentando que, “por  isso, no final de meu discurso de agradecimento, enfatizei o valor da amizade fazendo alusão à lição que nos dá o ipê: “não há florestas de ipê, mas ipês na floresta, como não há multidão de amigos, mas amigos na multidão”.

E concluiu Harada: “A amizade é um dos sentimentos mais nobres que merece ser guardada, não no fundo do nosso coração que um dia para de bater, mas no fundo de nossa alma que é imorredoura”.

Kiyoshi Harada Lembranças de minha origem humilde

(Aldo Shiguti)

spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img