Eventos na JHSP divulgam saquê e destacam empoderamento feminino

A CEO da Kinsuisho Sake Brewery, Miyuki Saito, com Alexandre Iida e convidados da palestra

O Consulado Geral do Japão em São Paulo, com apoio da Associação Brasileira de Gastronomia Japonesa (ABGJ) e Japan House São Paulo, realizou dois eventos com objetivo de promover a popularização e venda de saquê no Brasil e também para destacar a participação das mulheres no universo desta tradicional e famosa bebida alcóolica feita à base de fermentação de arroz.

No dia 15, a CEO da fábrica japonesa de saquê Kinsuisho Sake Brewery, localizada na província de Fukushima, Miyuki Saito, falou sobre a produção da bebida e também sobre sua trajetória para um público formado por especialistas e jornalistas e que contou com a participação do diretor da Japan Sake Association (JSA) e um apaixonado pelo assunto, Alexandre Tatsuya Iida.

Miyuki Saito é a única empresária de sakagura (fábrica de saquê) na cidade de Fukushima, sendo uma das poucas empresárias mulher neste ramo e, por conta disso, investe em atividades de incentivo a contratação de mulheres, bem como auxílio de recuperação de desastres. Além disso, por ter uma experiência em mídia internacional – era repórter antes de assumir os negócios da família –, é considerada uma pessoa com perfil adequado para a disseminação da bebida no exterior. 

Ouro e cristal – A empresa Kinsuisho apesar de ter uma produção artesanal, na gestão de Miyuki Saito expandiu suas operações ao exterior, sendo a 4ª geração deste sakagura que possui mais de 120 anos de história. Ela explicou que a fábrica foi fundada em 1895 pelo seu bisavô e que a origem do nome da empresa está relacionada ao fato de o imperador Meiji ter bebido e elogiado a água da nascente de uma montanha localizada próxima à fábrica e de onde era possível extrair ouro e cristal. 

Filha única, Miyuki explicou que Kinsuisho era um saquê de oferendas e, caso não seguisse o negócio da família, Fukushima não teria mais nenhuma fábrica de saquê. Ela conta que, após a o grande terremoto e tsunami de 2011, chegou a cogitar o fechamento da fábrica, mas foi convencida pelo pai a continuar no ramo.

Hoje, ela destaca que a Kinsuisho está em fase de ampliação, com a construção de uma nova fábrica, que absorverá todos os 10 funcionários da atual fábrica. Como explicou Alexandre Iida, o ritmo de produção, por se tratar de uma empresa pequena, ainda é muito limitado. 

Prêmios – Miyuki explicou que anualmente são produzidos cerca de 54 mil litros da bebida, e praticamente toda a produção serve para abastecer o mercado local – apenas cerca de 2 mil litros são exportados para o Havaí.

No entanto, ela disse que a bebida produzida em Fukushima é muito bem avaliada. O Kinsuisho Daiginjo Genshu Shizuku Shibori, por exemplo, que usa arroz da mais alta qualidade, Yamada Nishiki (40% de arroz polido), e teor alcóolico de 17%, recebeu vários prêmios, incluindo 15 prêmios de ouro no National New Saki Awards (Prêmio Anual de Saquê do Japão).

 Miyuki Saito explica que, além de saquê, a Kinsuisho também produz o licor “Chibimomo”, feito de arroz com saquê, água doce, suco de pêssego e outros ingredientes produzidos principalmente na província de Fukushima.

Para Miyuki Saito, que antes transmitia informações através de suas reportagens, a ideia agora é transmitir conhecimentos, mas através de uma garrafa de saquê. 

Mercado – Segundo Alexandre Iida, o Brasil tem potencial e está monitorando uma possível importação da bebida produzida pela Kinsuisho. Ele conta que, em 2008, no ápice, o Brasil figurou entre os sete maiores importadores de saquês do mundo, superando até mesmo o mercado europeu. Hoje, explica, devido à pandemia, mudança de governo e impostos, ocupa um modesto 14º lugar. “Mas se mantém estável, não tem queda”, afirma Iida, acrescentando que o brasileiro prefere o saquê mais encorpado, ou seja, os mais secos. “Mas os doces também saem bastante”, diz.

 No dia seguinte, 16, também na Japan House São Paulo, mas desta vez aberto para o público em geral, Miyuki Saito ministrou a palestra com o tema “As Mulheres no Universo do Saquê”, com participação da sócia fundadora e executiva do Jojo Ramen e do Jojo Lab, Simone Xirata, e a sommelier de sake, Yasmin Yonashiro.

(Aldo Shiguti)

spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img