Erika Tamura – A volta à normalidade

 

O Japão tem registrado a queda no número de infectados pelo coronavírus. De acordo com os dados apresentados diariamente pelo governo japonês, os infectados por Covid diminuem a cada dia, e essa é uma realidade na maioria das cidades no país.

Isso tudo nos traz uma certa animosidade, pois conseguimos ver uma luz no fim do túnel, e podemos sonhar com o fim da pandemia.

Acredito que, não teremos mais o fim do coronavírus, teremos que aprender a conviver com ele, como o vírus da gripe, e tantos outros existentes. Porém a pandemia pode ter o seu fim decretado, ou transformada para uma epidemia sazonal.

Com isso, percebo os comentários na mídia internacional, para um tema onde a abordagem sempre se relaciona à volta à normalidade. Mas será que essa normalidade ainda existe?

O que é ainda considerado normal? Seria o novo normal?

Tenho certeza que a máscara veio para ficar, pelo menos aqui no Japão, onde a máscara já fazia parte do cotidiano japonês, e agora pós pandemia, esse costume não será abandonado. Os japoneses são muito prevenidos, portanto não foi necessário nenhuma lei ou norma extraordinária para a obrigação do uso de máscaras durante a pandemia, afinal a máscara sempre existiu no dia a dia no Japão.

No meu ponto de vista, a normalidade que tanto se fala, pode ser encarada por uma nova percepção. Tenho certeza que não irei mais encarar um ambiente abarrotado de pessoas, da mesma forma. Também acho que o meu próprio controle na qualidade de vida mudou, começo a enxergar diferente alguns fatores que antes eram banalizados.

A valorização à vida, e aos momentos, onde o mais importante sempre será o “ser” e não o “ter”.

A pandemia me deixou sequelas, com certeza, pois foi nesse período pandêmico que perdi minha filha. Ela não faleceu por conta do Covid, mas acredito que todas as consequências da pandemia contribuíram para o seu suicídio.

Com certeza carrego um rombo no meu coração, que não vai ter  “fim de pandemia” que irá ressarcir o estrago provocado em mim.

A volta à normalidade precisa ser encarada com felicidade sim, mas também com muita cautela, pois observamos o quão frágeis somos, e estamos sucumbidos ao fracasso por conta de um vírus.

Mais do que a sensação de liberdade com as flexibilizações da pandemia, é o aprendizado que tudo isso nos trouxe. Afinal, passar por tudo o que estamos passando, e não evoluirmos, sinceramente, é dar margem para a ignorância da realidade.

Precisamos observar os fatos e tirarmos lições de tudo o que temos enfrentado nos últimos tempos. Não é possível voltar à normalidade apenas por voltar, tem que entender a mensagem!

Promete para mim que irá repensar sobre os últimos dois anos de sua vida? E disso fazer um minuto de reflexão para entender a evolução.

Somos seres que nascemos para evoluir e não para ficarmos estagnados e muito menos retrocedermos.

Combinado?

spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img