Conheça os Homem-Aranhas do Japão

Homem-Aranha
Homem-Aranha desenhado por Ryoichi Ikegami em 1970

Popular no mundo inteiro, Homem-Aranha é um dos personagens da Marvel que conseguiu cair no gosto de diversos países, inclusive o Japão. Com a chegada de ‘Homem-Aranha: Através do Aranhaverso’, nada mais apropriado que revisitar versões do herói que foram produzidas para o público japonês.

Explicando Aranhaverso

A saga Aranhaverso em 2014

Antes de explicar as versões do Homem-Aranha, nada mais justo que explicar o que se trata do Aranhaverso. Criado em 2014 pelo roteirista Dan Slott, a saga unificou todas as versões do Homem-Aranha em uma única história, incluindo as versões japonesas, o que apresentou muitas versões obscuras do herói que foram criadas desde seu surgimento.

Na história, os malévolos Herdeiros viajam pelo tempo e espaço atrás de pessoas com poderes derivados de aracnídeos. A busca implacável em matar todo aquele que tem poder de Aranha, obriga esses heróis se unirem para lutar contra os Herdeiros.

O sucesso comercial da saga foi tanto que algumas versões vieram para ficar para sempre, como a Gwen-Aranha. Além disso, outros especiais foram produzidos, desde a saga original em 2014.

O sucesso chegou aos cinemas com ‘Homem-Aranha no Aranhaverso’

Homem-Aranha no Aranhaverso lançado nos cinemas em 2018

Em 2018, a Sony Pictures lançou o filme que exploraria o conceito, mas trazendo uma história totalmente original. Destacando Miles Morales, um jovem negro que se torna o Homem-Aranha, inspirado no legado do já falecido Peter Parker. Ao visitar o túmulo de seu ídolo, Miles é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói por baixo de um sobretudo, descobrindo que ele é de outra dimensão.

Apresentando algumas versões do Homem-Aranha, o filme em animação arrecadou 384,3 milhões de dólares, sendo um grande sucesso. Seu sucesso fez com que planejassem uma trilogia, trazendo o segundo filme da saga para 2023.

Um detalhe é que o público pedia a inclusão da versão japonesa no próximo filme e na ocasião a equipe confirmou que provavelmente ele seria inserido. Vale citar que não existe somente uma versão japonesa do herói, mas a mais famosa de longe é a versão produzida pela Toei que revolucionou o gênero Tokusatsu no Japão.

Homem-Aranha em mangá

A primeira tentativa de levar o Homem-Aranha para o Japão veio em 1969, quando o editor-chefe da Shonen Magazine sugeriu a publicação das histórias do personagem na revista semanal. Na ocasião, Kōsei Ono que também traduzia histórias americanas, sugeriu que o personagem mudasse de cenários, sendo adaptado ao Japão. Ele assumiu os roteiros, deixando a arte para o Ryoichi Ikegami (Sanctuary e Crying Freeman).

A parceria duraria apenas seis capítulos com Kazumasa Hirai assumindo a história a partir do capítulo 7, afastando ainda mais o personagem de sua contraparte original.

Nesta versão, conhecemos o estudante Yu Komori que é um jovem que acaba sendo picado por uma aranha durante uma experiência, ganhando poderes, igual a sua versão ocidental. O grande catalisador do herói que é o Tio Ben foi substituído pelo vilão Elektro, aqui sendo irmão da personagem Rumi, que seria equivalente a até então namorada do personagem, Gwen Stacy. Trazendo até uma tia Mei, baseada na sua contraparte original Tia May, o personagem traz um universo bem adaptado ao Japão.

Cada história, esta primeira versão do Aranha tornou mais pesado, perdendo humor, assim Homem-Aranha mangá teve uma publicação de apenas um ano e com cinco volumes no total. Vale a curiosidade que o personagem foi inserido no Aranhaverso se tornando o da Terra-70019 nos quadrinhos.

Homem-Aranha invade o Tokusatsu

Por volta de 1970, temos o entusiasmado Gene Pelc pedindo para representar a Marvel Comics no Japão. Indo diretamente ao Stan Lee, co-criador do Homem-Aranha, ele não só convenceu, como próprio Stan Lee foi conversar pessoalmente com o presidente da Marvel na época. 

Morando no Japão, Gene Pelc sabia que para os personagens da Marvel para entrar num país tão diferente, não funcionariam tão facilmente. Ignorando totalmente a experiência em mangá do passado, ele conseguiu um acordo com a produtora Toei em que ambas as empresas poderiam utilizar os personagens de uma empresa e vice-versa.

Para está versão, temos o jovem Takuya Yamashiro de 22 anos e piloto de motocross e que luta contra o Exército da Cruz de Ferro para vingar a morte de seu pai. Takuya ganha os poderes de Aranha quando o alienígena Garia do Planeta Aranha injeta seus poderes, logo no primeiro episódio, se tornando o herói da vizinhança.

Tendo acesso aos poderes de Aranha e inclusive um robô gigante chamado Leopardon, Homem-Aranha desta versão é bem distante do material original, porém bem elogiado pelo criador Stan Lee.

O designer Katsushi Murakami foi o responsável por inserir um robô gigante na história e por mais que a Marvel não gostasse da ideia. O produtor Yoshinori Watanabe deu está liberdade ao Murakami, sendo também dele a sugestão do personagem ter a origem alienígena.

Tendo um total de 41 episódios e um filme, a versão em tokusatsu do Homem-Aranha mudou para sempre o gênero. O sucesso do Leopardon fez com que fosse inserido robôs gigantes no gênero Super Sentai (adaptado no ocidente como Power Rangers).

O acordo entre a Marvel e a Toei ainda rendeu a série Battle Fever J que foi inicialmente pensada para ser uma versão japonesa dos Vingadores, mas acabou se afastando tanto quanto Aranha, se tornando também um sucesso do gênero Super Sentai.

Depois disso, as empresas ficaram um bom tempo sem renegociar licenciamento, sendo que em 2004 um novo acordo foi feito para o lançamento da série do Homem-Aranha em DVD no Japão. Na ocasião o herói japonês visitou o Stan Lee, transformando o encontro num documentário.

O personagem apareceu com seu robô gigante no Aranhaverso em 2014, além de ganhar um documentário feito pela Disney Plus. Atualmente o personagem é muito esperado para aparecer no filme ‘Homem-Aranha: Através do Aranhaverso’.

E o Spider-Man J

Em 2004, o Homem-Aranha ganharia a sua terceira versão japonesa, batizada de “Spider-Man J” na revista Comic BomBom. Focando num público bem mais infantil, aqui temos Kakeru Amano, um garoto de 15 anos que precisa defender o mundo do 

Lord Gokibu que roubar o fóssil do Rei Inseto.

Adaptado no ocidente como “Peter Parker”, o personagem Kakeru Amano encontra outras versões japonesas de heróis da Marvel nesta versão. Em 2014, o personagem foi um dos três heróis nipônicos a aparecerem na versão em quadrinhos do Aranhaverso, inclusive conversando em japonês.

Outras versões produzidas no Japão

Yusuke Murata desenhando Homem-Aranha

Mesmo que o Aranhaverso tenha unificado todas as versões do herói, existem outras versões que vieram posteriormente e valem a pena ser mencionados.

O criador do Yu-Gi-Oh, Kazuki Takahashi, desenhou o mangá “Secret Reverse” em que os personagens Homem-Aranha e Homem de Ferro viajam ao Japão. Mesmo que sendo as versões semelhantes as suas versões originais, o mangá fez um grande sucesso, sendo lançado inclusive no Brasil.

Outro mangá do personagem foi “Spider-Man: Fake Red” desenhada pelo autor Yusuke Osawa, e mostra um garoto encontrando o traje do herói num beco. Vestindo o traje, ele percebe que não é tão fácil assim ser herói. O mangá só teve dois volumes, sendo que aqui o personagem foi baseado na sua versão para o jogo Marvel’s Spider-Man lançado para Playstation 4.

Não poderíamos deixar de citar Yusuke Murata, desenhista de One Punch Man, que normalmente faz as artes oficiais do Homem-Aranha em eventos e estreias de filmes no Japão.

O ator Kentaro Ito que foi um dos apresentadores do Terrace House, também já vestiu a roupa do Homem-Aranha. No lançamento do filme “Homem Aranha Longe de casa” o ator participou da coletiva de imprensa, vestido do herói e gerou curiosidade se um dia teríamos uma nova versão do herói em live action.

Com tantas versões produzidas no Japão, fica evidente o quão querido o personagem é por lá. E num país que até então não era comum quadrinhos por lá, a Marvel também conseguiu lançar por lá a obra original traduzida para o idioma japonês. O Homem-Aranha continua sendo o amiga da Vizinhança, mesmo que no Japão possa significar em algum bairro de Tóquio.

Os quadrinhos originais de Homem-Aranha lançados em japonês – Divulgação
spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img