Cidades de Santos e Nagasaki renovam laços culturais e de irmandade

Francisco Arrais – Divulgação

Os laços culturais entre Santos e Nagasaki (Japão) foram renovados na manhã desta terça-feira com assinatura de termo de renovação da irmanação entre as duas cidades – cooperação que completou 50 anos em 2022.

O documento foi assinado pelos prefeitos Rogério Santos (Santos) e Shiro Suzuki (Nagasaki). A comitiva da cidade japonesa visitou o Palácio José Bonifácio, sede do Executivo santista, no Centro Histórico, e autoridades dos dois municípios ressaltaram os vínculos históricos e econômicos entre as duas cidades.

Rogério Santos fez um resumo da história de Santos, citando que o Porto de Santos, pela exportação da produção de café, teve papel importante para o desenvolvimento do Brasil. Depois, ressaltou um dos exemplos da ligação com Nagasaki. “Um dos 13 bondes que temos aqui veio de Nagasaki. Temos o maior acervo de bondes da América Latina”.

“A geminação com Nagasaki é motivo de orgulho para quem vive em Santos, onde a cultura da paz é muito destacada. Temos aqui vários monumentos homenageando a cultura japonesa”, citou o prefeito santista. Ele se referiu ao fato de Santos ser membro executivo da Rede Internacional Prefeitos pela Paz desde 2015. A organização, com sede em Hiroshima (Japão), tem 7.909 municípios em 164 países e foi criada para contribuir para a paz mundial, despertando preocupação pela abolição total de armas nucleares.

Rogério Santos afirmou que Santos tem muito interesse em aprender com Nagasaki nas áreas de economia e tecnologia, “principalmente neste momento em que o Brasil precisa de políticas de desenvolvimento econômico”.

Francisco Arrais – Divulgação

FORÇA DO PORTO – Agradecendo o calor humano e a gentileza recebidos das autoridades santistas, o prefeito de Nagasaki lembrou que a irmanação com Santos deveria ter ocorrido no ano passado, mas a celebração entre as cidades-irmãs ficou prejudicada por conta das restrições do período mais crítico da pandemia de covid-19.

Shiro Suzuki destacou que Nagasaki, assim como Santos, também se desenvolveu graças ao seu porto. Teve, também, sua força graças à fabricação de navios. Outro elo entre os dois municípios, ressaltou, foi a ligação que Nagasaki teve com Portugal em sua estratégia de comércio internacional. “Nesse ponto nos aproximamos muito de Santos”.

Depois de a comitiva ser recebida no gabinete, os representantes de Nagasaki e o cônsul geral do Japão em São Paulo, Ryosuke Kuwana, foram levados à Sala Princesa Isabel, onde foram executados os hinos do Brasil, Japão e de Santos.

Isabela Carrari – Divulgação

Na solenidade, Shiro Suzuki reiterou o pedido para que Santos participe, no próximo ano, da reunião geral da Rede Internacional Prefeitos pela Paz, que será realizada em Nagasaki. A cerimônia na Sala Princesa Isabel terminou com o prefeito de Nagasaki ensinando os participantes do evento, que também contou com a presença de alunos da rede pública municipal, a fazerem um tsuru, pássaro feito de origami (técnica de dobrar papel), que simboliza a paz.

À tarde, a comitiva conheceu o Centro de Controle de Operações (CCO), que funciona no Palácio José Bonifácio, passeou no bonde vindo de Nagasaki e visitou os museus Pelé e do Café.

spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img