CEO da OpenAI, dona do ChatGPT, causa controvérsias durante visita ao Japão

Um desenvolvedor do ChatGPT disse na segunda-feira que sua empresa planeja abrir um escritório no Japão em meio a crescentes preocupações sobre a coleta não autorizada de dados pessoais do chatbot e o impacto nos ambientes de aprendizado.

Sam Altman, executivo-chefe da OpenAI, sediada nos EUA, encontrou-se com o primeiro-ministro Fumio Kishida em Tóquio, já que os riscos da inteligência artificial devem ser discutidos na reunião ministerial do Grupo dos Sete sobre questões digitais, que o Japão sediará no final de abril.

Altman disse a repórteres que explicou a Kishida, que presidirá a cúpula do G-7 em seu distrito eleitoral de Hiroshima em maio, sobre os prós e contras do ChatGPT, ao mesmo tempo em que disse que o primeiro-ministro demonstrou interesse na tecnologia de IA.

Os chatbots são aplicativos de software treinados usando grandes quantidades de dados da Internet, permitindo que eles processem e simulem conversas semelhantes às humanas com os usuários.

O ChatGPT, lançado em novembro de 2022 como um protótipo, significa Chat Generative Pre-trained Transformer e é conduzido por um modelo de aprendizado de máquina que funciona de maneira muito semelhante ao cérebro humano.

As conversas entre Kishida e Altman ocorreram quando muitos países intensificaram os regulamentos sobre o uso do ChatGPT por suspeitas de que o OpenAI coleta ilegalmente grandes quantidades de dados pessoais de seus usuários, prejudicando a privacidade.

Altman expressou vontade de trocar opiniões com formuladores de políticas em todo o mundo sobre a tecnologia de IA e o ChatGPT de sua empresa.

No Japão, o ministério da educação tem tentado formular diretrizes sobre o uso do ChatGPT e outros chatbots de IA nas escolas, pois o medo aumenta sobre seus efeitos nas habilidades de escrita e raciocínio dos alunos.

Depois de se encontrar com Kishida, Altman disse: “Conversamos sobre as vantagens dessa tecnologia e como mitigar as desvantagens”, expressando a esperança de que os chatbots de IA prevaleçam ainda mais no Japão, à medida que os modelos deles se tornam mais adequados para o idioma e a cultura do país.

Na segunda-feira, o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, disse que o Japão explorará o uso da tecnologia chatbot para aliviar os encargos administrativos dos funcionários do governo.

Mas o principal porta-voz do governo acrescentou que a mudança só poderia ser realizada se a ansiedade sobre o manuseio de informações confidenciais e vazamentos de dados pessoais fosse resolvida.

spot_img

Relacionados

Destaques da Redação

spot_img